Feeds:
Artigos
Comentários

Arquivos para a Categoria ‘Coentros’

Dizem que a ausência aumenta os amores fortes e diminui os fracos. Não acreditando muito nisso, confesso a secreta esperança de ainda ter, desse lado, quem se lembre do Caos e por cá vá passando, na esperança de novas minhas. Quase cinco meses, caramba, que saudades!

Por cá vivemos um mundo novo, muito pouco feito de cozinha. Alimentamo-nos à pressa e quase mais por necessidade do que por prazer. Visitamos os velhos favoritos, fáceis e rápidos, feitos quase em piloto automático. E damos voltas a alguns, tornando-os mais nutritivos – como esta sopa, com quinoa para além das lentilhas. Esforçamo-nos por não saltar refeições, mas o pequeno revolucionador de corações gosta pouco de dormir e o cansaço vence-nos repetidamente. Lá chegaremos, nós e ele. E a cozinha regressará, que a vontade já anda à espreita.

bolo de bacalhau 1

.

Bolo de bacalhau

(inspirado neste da Laranjinha)

  • 1 posta de bacalhau
  • 100ml azeite
  • 50 ml óleo
  • 4 ovos
  • 150ml buttermilk (150ml leite + 1 colher chá de vinagre branco)
  • 250g farinha
  • 1 colher chá de fermento em pó
  • 12 azeitonas
  • ½ pimento vermelho
  • 1 molho pequeno de coentros, caules e folhas
  • 1 colher chá de sal

Numa panela pequena, confite a posta de bacalhau no azeite, deixando-a cozinhar durante 10 minutos em lume baixo, sem ferver. Retire o bacalhau e deixe ambos arrefecer. Quando estiver frio, desfaça o bacalhau em lascas. Reserve.

Pré-aqueça o forno a 180º. Pincele uma forma de bolo inglês com óleo e reserve.

Pique o pimento em cubos pequenos e reserve. Separe os talos dos coentros das folhas e pique os talos finamente e as folhas grosseiramente. Descaroce as azeitonas e corte em pedaços. Misture o leite e o vinagre e deixe repousar 10 minutos, para fazer o buttermilk.

Num recipiente, misture a farinha, o fermento e o sal. Acrescente o bacalhau, o pimento, as azeitonas e os coentros. Num outro recipiente misture o azeite em que confitou o bacalhau, o óleo, o buttermilk e os ovos. Junte esta mistura aos ingredientes secos e envolva bem, sem bater. Transfira a massa para a forma pré-preparada e asse por 30-40 minutos ou até que um palito inserido no centro saia limpo. 

.

Este bolo é muito prático para aproveitar aquelas postas de bacalhau que acabam sozinhas no congelador – cá em casa acontece quase sempre. Em vez do pimento vermelho cru pode usar-se o assado, feito em casa ou de compra; era a minha ideia original, não concretizada por falta de ingredientes. É ideal para comer com uma mão enquanto a outra embala um bebé irrequieto ou, quando regressar o calor, para levar para um piquenique. 

 

Read Full Post »

O Verão passado levou-nos até quase ao outro lado do mundo, ao Vietname. Fugimos de cá, de um ano muito duro, e fugimos para lá, terra que povoava os meus sonhos de paisagens verdes e sabores exóticos. Mergulhámos de cabeça e poucos dias depois já a nossa língua se enrolava nos vocábulos que a faziam salivar: bánh xèo, bánh mì, o inescapável pho e a nossa perdição, bún chà.

Ásia 3

.

Entrámos em todos os mercados que vimos. Cheirámos coisas novas todos os dias, das mais apetecíveis aos nauseantes aromas das fermentações e das carnes cruas, pouco recomendados a narizes sensíveis. Comemos frutas de que não sabemos o nome e que sabiam, como tudo o resto, a distância e aventura.

Ásia 1

.

Como em todo o lado, é com os locais que melhor se come. Nas tascas improvisadas nos passeios, sobre tapetes desenrolados ao cair da noite ou em bancos de plástico rentes ao chão. Ao lado das brasas onde caramelizam os pedaços de carne que vamos mergulhar no nuoc cham, acompanhados de noodles de arroz e ervas que não encontramos por cá. O truque é não pensar, deixarmo-nos guiar pelos cheiros que se espalham de cada esquina. Comer com a taça encostada ao queixo para não desperdiçar uma gota. E ficar para sempre presos de saudades.

Ásia 2

.

Mas estas, como a necessidade, também aguçam o engenho. Levam-nos a aprender e ao improviso. Com alguma vontade e pouco preciosismo, vamos mais ou menos recriando os sabores de lá. Nunca serão os mesmos, iguais, nem que não seja porque não estamos lá. São adaptações toscas de uma cozinha complexa e simultaneamente simples, que se faz daquilo que nós já esquecemos, o que a terra dá.

almôndegas vietnamitas 1.

Almôndegas e noodles de inspiração vietnamita

(improvisado com base nesta receita)

4 pessoas

almôndegas (32 almôndegas pequenas):

  • 500g carne de peru picada
  • rama de 4-6 cebolinhas verdes finamente picada
  • ½ medida de coentros frescos finamente picados
  • 1 ovo grande
  • 2 colheres sopa de óleo de sésamo (ou normal, se não encontrar)
  • 2 colheres sopa de molho de soja
  • óleo para fritar

 

molho:

  • 100g açúcar mascavado escuro
  • 120ml de água
  • 120ml de molho de soja
  • 120ml de mirin
  • 4 cm de gengibre fresco picado
  • 1 colher chá de coentros em pó

montagem:

  • 1 pacote de noodles de arroz (usei pho, que comprei numa grande superfície)
  • 1 medida bem cheia de coentros, hortelã e rama de cebolinha frescos e bem picados
  • ½ medida de amendoins torrados

Comece por fazer as almôndegas (que pode, inclusivamente, congelar): numa tigela misture todos os ingredientes, com auxílio de um garfo. Molde pequenas bolas, o mais homogéneas possível (facilita se tiver as mãos molhadas ou levemente untadas com óleo). Disponha-as num tabuleiro, espaçadas para que não se colem, e leve ao frigorífico até à hora de fritar.

Para o molho: leve a lume médio-alto a água e o açúcar, mexendo bem até que este se dissolva. Acrescente então o molho de soja, o mirin, o gengibre e os coentros moídos e reduza para fogo médio. Deixe cozinhar até reduzir, mas não deixe que fique excessivamente espesso. Coe e reserve.

Prepare os noodles de acordo com as instruções da embalagem.

Enquanto os noodles e o molho cozinham, frite as almôndegas em óleo vegetal bem quente, 4-5 minutos de cada lado. Retire-as para um prato com papel absorvente e deixe escorrer bem.

Montagem: em tigelas individuais, disponha uma dose de noodles. Mergulhe as almôndegas brevemente no molho e transfira-as para as tigelas. Polvilhe generosamente com as ervas frescas picadas e os amendoins torrados. Regue com mais uma ou duas colheres de sopa de molho e sirva. Pode levar o restante molho, ervas e amendoins para a mesa para quem quiser acrescentar durante a refeição.

Read Full Post »

Quem me lê já deve estar farto de me ouvir cantar louvores aos vegetais e legumes. De me ler a dizer que comemos pouca carne e muita fruta. Mas de vez em quando lá volto eu ao mesmo porque o blog é feito dos nossos dias, das nossas refeições. Não cozinho especialmente para o blog, cozinho para nós. E, do que vamos comendo, o que é bom e novo e interessante é partilhado aqui. É, portanto, normal que os temas se repitam um bocado – afinal, a nossa alimentação tem estes princípios como base, não há volta a dar.

Há uns tempos ouvi falar de uma iniciativa muito interessante: o Meat Free Mondays. Foi criado para sensibilizar as pessoas para o impacto que o elevado consumo de carne tem no ambiente. Propõe que abdiquemos da carne um dia por semana, como forma de proteger a nossa saúde e o meio ambiente. Apenas um dia por semana pode dar um contributo importante para a redução dos efeitos lesivos que a criação de gado e a indústria da carne têm sobre o meio ambiente. Para nós, que comemos pouca carne, um dia por semana não custa nada. Mas mesmo para quem a consome regularmente não parece ser muito difícil. Afinal, é só um dia.

.

Pataniscas de legumes com molho agridoce de chili

2 pessoas

  • 1 medida de courgette ralada
  • 1 medida de ervilhas, ligeiramente esmagadas
  • ¼ pimento vermelho em tiras muito finas
  • ½ cebola em meias luas muito finas
  • 1 punhado de coentros picados
  • 2 ovos
  • 6 colheres sopa de farinha
  • 1 colher chá de fermento
  • 1 colher chá de sal
  • 1 pitada de piri-piri
  • óleo para fritar
  • molho agridoce de chili para acompanhar

Misture todos os legumes. Bata levemente os ovos e adicione aos legumes, envolvendo bem. Misture a farinha com o fermento, o sal e o piri-piri. Acrescente à mistura de legumes.

Aqueça uma frigideira anti-aderente. Coloque 1 colher sopa de óleo e coloque 2 colheres de sopa bem cheias de massa (por cada patanisca). Deixe fritar até dourar e vire. Seque-as sobre papel aderente.

Sirva acompanhadas de molho agridoce de chili e uma salada.

.

.

Estas pataniscas são uma excelente opção para uma refeição sem carne. Estão carregadas de legumes, têm pouca gordura e poucos hidratos de carbono e, por terem ovos, têm proteína suficiente para assegurar uma refeição completa.

Nós por cá somos adeptos dos dias sem carne, seja ou não à segunda-feira. E vocês, já aderiram ao Meat Free Monday?

Read Full Post »

Os livros são a minha perdição. Deixem-me só um par de havaianas e outro de sapatilhas, troco todos os sapatos do mundo por mais livros. Não acaba nunca a sede que tenho de novas linhas. E partilho da angústia do Almada Negreiros:

Entrei numa livraria. Pus-me a contar os livros que há para ler e os anos que terei de vida. Não chegam, não duro nem para metade da livraria. Deve certamente haver outras maneiras de se salvar uma pessoa, senão estou perdido.

Eu também sinto que é uma guerra perdida à partida. Valha-nos o gozo de cada batalha, cada livro terminado e conquistado à imensidão da biblioteca do mundo.

Os livros de cozinha não escapam à minha fome. Perco-me nas imagens, nas linhas, nas sugestões. E apaixono-me e acumulo-os e depois nem sei por onde começar a escolher o jantar. Foi por isso que há pouco mais de duas semanas me rendi definitivamente ao Eat Your Books, um site onde estão indexados milhares de livros e revistas de cozinha e que nos permite pesquisar por ingredientes. Imaginem que tenho camarão, tomate e coentros em casa e quero usá-los para o jantar. O site dá-me uma lista das receitas que existem na minha biblioteca e que usam estes ingredientes. Só tenho de escolher, ir buscar o livro à estante, procurar a receita no índice e ir para a cozinha. Fácil e maravilhoso!

.

.

Camarão em molho picante de tomate

(inspirado no How to Cook Everything)

para 2 pessoas

  • 175g camarão grande, cru (se usar congelado, descongele e seque-o bem com papel absorvente)
  • ½ cebola finamente picada
  • 2 dentes de alho finamente picados
  • 1 tomate coração de boi grande, bem maduro (ou 1 lata pequena de tomate pelado)
  • piri-piri moído na hora (ou em pó)
  • 1 punhado de coentros, com os talos
  • 40ml azeite
  • sal

Numa frigideira grande, comece por alourar a cebola picada no azeite (o azeite deve ser suficiente para cobrir o fundo da frigideira), em lume médio. Moa para cima da cebola o piri-piri e vá mexendo, para não queimar. Acrescente então o camarão e o alho e deixe fritar ligeiramente, até que o camarão esteja levemente rosado mas ainda não cozido. Acrescente os talos dos coentros finamente picados e o tomate, desfeito entre os dedos. Tempere com sal e deixe cozinhar até que o camarão esteja pronto e o molho tenha engrossado.

Sirva polvilhado com coentros picados, acompanhado de arroz basmati cozido em água e sal.

.

Se o camarão estiver pronto antes, este é um jantar muito rápido. Uma espécie de camarões al ajillo mais elaborados, podem ser mais ou menos picantes, de acordo com o gosto de cada um. Nós gostamos que nos puxem pela língua, sobretudo nestas noites já mais frias, e que nos lembrem o calor de outras paragens.

Read Full Post »

Desde que comecei a preocupar-me com a origem dos produtos que consumimos, os nossos hábitos alimentares mudaram. Não foram mudanças radicais, foram pequenos ajustes que nos levaram a viver como a natureza quer, a favor da sazonalidade e não da perene disponibilidade que conseguimos por vivermos numa aldeia global. Hoje temos tudo todo o ano – espargos que vêm do Peru, mangas e papaias do Brasil, romãs de Israel e um sem fim de grandes disparates que fazem com que cada peça de fruta ou legume valha um mês de viagens de carro no petróleo que gastou para chegar até nós. Não somos fundamentalistas – de vez em quando também compramos uma papaia ou um ananás, que nos chegam de longe, porque gostamos deles e não são tanto uma questão de não estarem na época cá, mas mais de não os termos (o ananás da Madeira é maravilhoso se for imensamente doce, coisa rara cá no continente; o outro corta-nos a língua).

Hoje, sempre que vou às compras, pergunto de onde são as coisas que quero comprar e se são de estufa. Se forem estrangeiros ou de estufa, procuro alternativas. Por causa disto passámos a comer alimentos mais saborosos e mais saudáveis, mais baratos e melhores para o ambiente e que estimulam a economia nacional. Mas isso significa que não comemos tomates no inverno ou pêssegos na primavera, uns porque não há, outros porque são de estufa, ambos porque não têm sabor. Quem prova um tomate coração de boi, apanhado há horas e comido quase a rebentar de maduro não pode ficar feliz com aquelas bolas de plástico sem sabor que se vendem durante o resto do ano.

.

Sopa de tomate assado

(2 pessoas)

  • 3 tomates coração de boi, médios e maduros
  • 5 dentes de alho
  • 1 molho pequeno de coentros
  • ½ colher chá de molho picante (eu usei sriracha)
  • ½ pepino em cubos pequenos, para servir
  • azeite
  • sal
  • água

Pré-aqueça o forno a 180ºC.

Corte os tomates em fatias grossas e disponha-as num tabuleiro de forno. Descasque os alhos e coloque-os entre as fatias. Tempere levemente com sal grosso e regue com um fio de azeite. Leve a assar durante 20-25 minutos, até que o tomate esteja assado e com umas pontas levemente tostadas.

Retire o tomate, alho e todos os sumos do tabuleiro para o copo de um liquidificador (ou varinha mágica). Triture bem. Ajuste o sal, acrescente os coentros, o molho picante e água quente suficiente para fazer um creme não muito grosso. Triture novamente.

Sirva com cubos de pepino.

.

Esta sopa tem um leve sabor fumado, das pontinhas de tomate queimadas. O molho picante é fundamental para compor os sabores. Pessoalmente, preferi a sopa sem o pepino, que pode também ser substituído por croutons feitos em azeite e alho.

Por cá andamos na época da despedida. Dos tomates, dos figos, dos pêssegos. Das coisas boas que a terra só nos volta a dar para o ano. Porque a sazonalidade não é só boa para a terra, é também boa para nós. Já viram que as laranjas, cheias de vitamina C, têm a sua época no Inverno? Importa lembrar, sempre, que nós também somos natureza e que os nossos ritmos são os ritmos da Terra, se não deixarmos que a civilização os perverta.

Read Full Post »

Está a ficar calor. Os dias são grandes e como o sol se põe mais tarde, ficamos com a sensação que o trabalho acaba mais cedo. Apetece preguiçar na varanda, sentar no chão da sala com os pés descalços a apanhar os últimos raios de sol. Apetece juntar amigos, invariavelmente na cozinha, onde acabamos sempre. Partilhar um jarro de sangria gelada ou de mojitos, coisas boas para ir petiscando enquanto conversamos ou estamos ali, só, na companhia uns dos outros.

Estamos na época dos abacates. Nos mercados têm aparecido bem maduros e eu tenho feito guacamole quase todas as semanas. O abacate em si diz-me pouco, não lhe acho grande graça. Mas devidamente temperado torna-se um petisco a que não consigo resistir.

Li muitas receitas, inspirei-me aqui e ali. Até que cheguei à minha, aquela que preenche todos os meus requisitos. As medidas não são muito precisas porque dependem dos abacates. Como em tudo na cozinha, é preciso provar, provar e provar outra vez, até que esteja tudo no ponto, naquele equilíbrio de sabores que transforma os vários ingredientes numa entidade que é mais que a soma das partes.

.

Guacamole

  • 3 abacates
  • ½ pimento vermelho pequeno
  • ½ cebola média
  • 1 molho de coentros
  • 1 lima ou 1 limão
  • cominhos
  • piri-piri
  • sal

Comece por cortar os abacates a meio e tirar-lhes o caroço. Com uma colher, retire a polpa dos abacates para um recipiente e desfaça-a com um garfo.

Pique o pimento e a cebola finamente. Acrescente aos abacates e misture bem. Acrescente o sumo de uma lima (ou de um limão médio). Prove e veja se é preciso mais – a acidez do citrino deve equilibrar o sabor rico do abacate.

Acrescente meia colher de chá de cominhos, meia de piri-piri e meia de sal. Prove e acrescente mais, a gosto. Lembre-se que os nachos com que normalmente se come o guacamole são salgados, por isso não abuse do sal.

Pique os coentros (pode usar os talos, picando-os muito bem – eu uso) e acrescente ao guacamole, misturando bem.

Sirva com nachos e algo fresco para beber.

.

.

O guacamole fica delicioso servido com nachos. Mas se sobrar, é excelente para sanduíches: barre o pão com um pouco de guacamole, acrescente fiambre de frango ou frango grelhado e leve na marmita, para um almoço rápido e fácil.

Cá em casa, às vezes, jantamos uma taça de guacamole e um cesto de nachos, com um jarro de granizado de fruta e um bocadinho de rum. É rápido e fácil e óptimo para comer no chão da sala, em frente à televisão, enquanto vemos um filme. Acho que vamos repetir a dose este fim-de-semana!

Read Full Post »

Ando sem tempo – que espanto! Mas para não começar já a queixar-me, digo: ando sem tempo mas feliz. Quem corre por gosto também cansa, mas cansa com mais prazer. Há dias em que chego a casa e só tenho forças para me deixar cair no sofá. Nesses dias o jantar não existe. Há fruta, iogurtes, cereais e sopa cá em casa, sempre. E no fim de um dia desses, é mais do que suficiente.

Mas o tempo falta-me também ao almoço. E por isso aderi recentemente à velha arte da marmita. Não tem sido fácil de gerir. É sempre preciso fazer coisas transportáveis e que aguentem bem o dia seguinte. E fazer a mais, a contar com 3 refeições em vez das 2 habituais. Mas tem corrido bem. Além do tempo, espero que me ajude a fazer uma alimentação ainda mais saudável e, se não for pedir demasiado, a perder algum peso. Tanta responsabilidade numa só marmita!

.

Feijocas com molho de tomate e alho

(ligeiramente adaptado da revista Jamie, Janeiro 2011)

  • 300g feijocas frescas ou secas demolhadas durante a noite
  • 1 malagueta
  • 4 dentes de alho, com a casca
  • um punhado de salva seca
  • 3 tomates
  • 1 colher sopa de vinagre de cidra
  • azeite
  • sal
  • coentros
Na panela de pressão, coloque as feijocas, os tomates inteiros, os dentes de alho e a salva. Cubra com água, acrescente uma pitada de sal, feche bem a panela e deixe ferver. Quando a panela começar a apitar, reduza o fogo para médio baixo e deixe cozinhar 1h. Desligue e deixe sair o vapor.
Quando todo o vapor tiver saído, abra a panela e escorra a água que tiver sobrado. Descarte a salva. Tire as sementes à malagueta, a pele aos tomates e a casca aos dentes de alho e coloque tudo no copo da varinha mágica. Acrescente o vinagre, azeite a gosto e triture bem. Prove e acerte o sal.
Numa panela, aqueça um fio de azeite. Acrescente os feijões e deixe saltear muito brevemente. Junte o molho de tomate triturado e deixe reduzir ligeiramente. Sirva polvilhado com coentros frescos picados.
.
Servi acompanhado com uma salada substancial, com legumes e nozes. Mas pode servir-se sobre arroz, branco ou integral, ou mesmo como acompanhamento de carnes.
Para a escola levei-as com um acompanhamento de legumes salteados e uma salada. Foram um almoço delicioso, porque aguentam lindamente o passeio e o aquecimento no microondas.

Read Full Post »

O Verão deste ano parece acabar sem ter chegado a começar. Ficámos por cá, não descemos ao sul, e faltaram-nos os dias intermináveis de praia e corpo quente de tanto sol. Mas houve dias de descanso e de livros e de sestas à sombra de um castanheiro velho conhecido.

Agora é tempo de recomeçar. De entrar no ritmo acelerado que nos acompanhará até ao próximo Verão. As férias, até lá, serão sempre curtas e vividas também a correr.

Ficam vontades dos dias grandes, dos anoiteceres tardios. Do cheiro que o calor deixa no mundo.

.

Bavette com camarão e coentros

  • massa
  • camarão
  • tomate cereja
  • coentros
  • alho
  • azeite
  • sal

Feito sempre a olho, a massa cozida em quantidade generosa – já é traço meu, nunca consigo cozer massa na proporção certa. Os camarões, escaldados se forem dos crus, reservados. Na frigideira, dentes de alho abundantes, muito picados, num fio de azeite. Quando o alho perfumar o ar, juntam-se os camarões (e umas folhas de acelga bem picadas, se houver), que se deixam fritar ligeiramente. Os pés dos coentros muito picadinhos (as folhas guardam-se para o fim) e uma pitada de sal. Os tomates cortados ao meio, que se deixa cozinhar só muito ligeiramente.

Envolve-se a massa cozida nesta frigideira. Serve-se, polvilha-se com as folhas dos coentros picadas e rega-se com um fio de azeite. E come-se no fim do dia ainda quente, já a sonhar com o próximo Verão.

.

Este foi o meu prato do Verão. Fi-lo 4 ou 5 vezes, com tomates (como aqui) ou só com camarão, coentros e alho. É rápido e tão fácil, se houver miolo de camarão no congelador. Este camarão não era do melhor, encolheu muito. Se for fresco, cru, melhor ainda.

Não tem nada de novo, mas tem muito de confortante. Para mim, é o Verão num prato, os dias longos prolongados em sabor.

Read Full Post »

Apesar da instabilidade do tempo, já não me apetecem os pratos quentes e pesados. As sopas, os estufados, os pratos de forno servidos a escaldar. A boca já pede Verão, refeições leves, ideias frescas. Mesmo que ainda vá chovendo, aqui e ali. E mesmo que o sol teime em não aparecer.

Este prato foi adaptado da Bon Appetit de Janeiro 2011. Vinha num post de fim de férias, uma família regressada a casa, nos EUA, depois de uns dias em Itália. Estavam cansados, irritados com o regresso às rotinas – e o pai resolveu sossegar corpos e espíritos com uma recordação da costa de Amalfi, em forma de jantar.

.

Pasta amalfitana com calamares

(6 pessoas)

  • ¼ medida de farinha
  • ¼ medida de amido de milho
  • 1 colher chá de sal
  • ½ colher chá de fermento
  • ¼ colher chá de piri-piri
  • ¼ colher chá de paprika
  • 500g de lulas limpas e cortadas em anéis
  • azeite + óleo para fritar (em partes iguais)
  • spaguetti integral
  • sumo de limão
  • coentros frescos
  • quartos de limão
Forre um tabuleiro com várias folhas de papel de cozinha. Numa tigela, misture farinha, amido de milho, sal, fermento, piri-piri e paprika.  Mergulhe as lulas na mistura de farinha e reserve.
Coza o spaguetti (eu usei integral), em água e sal. Quando estiver al dente, escorra bem e reserve.
Aqueça o óleo e o azeite numa panela, até que esteja bem quente. Frite os anéis de lula até que estejam dourados e crocantes – 2 a 3 minutos. Com uma escumadeira, remova-os, escorrendo bem, e transfira para o tabuleiro com o papel absorvente.
Quando todas as lulas estiverem fritas, coloque a pasta num recipiente fundo, para ir à mesa, e tempere com 3 colheres de sopa de sumo de limão, um fio muito leve de azeite, uma pitada de alho em pó e parte dos coentros, picados. Coloque os calamares por cima e polvilhe com os restantes coentros. Sirva com quartos de limão.
.
Nós, que não somos grandes fãs de lulas, gostámos bastante. A pasta, quase fria, liga lindamente com as lulas crocantes e com o amargo dos coentros e o ácido do limão. Nunca estivemos em Amalfi. Mas se é assim que se come por lá, temos boas razões para planear uma viagem.

Read Full Post »

O meu pai costumava dizer, citando um amigo, que os gostos mudam com a idade: começamos por gostar mais de cerveja e depois crescemos para o vinho, das batatas fritas para o arroz e da carne para o peixe. Eu saltei a fase da cerveja – não gosto, nunca gostei e não prevejo que isso mude. Mas aprendi a gostar de vinho com a idade. Nas outras coisas, suponho que esteja a meio do processo, dividida entre batatas fritas (caseiras!) e um bom arroz, e a comer cada vez mais peixe.

O peixe era o meu ódio de estimação. O peixe assado era racionado numa tacinha lá de casa, a mais minúscula do armário. E dia de peixe era dia de filme – a menos que fosse bacalhau. A idade traz juízo e a vontade de me alimentar cada vez melhor leva-me à procura de formas diferentes de comer peixe, para conseguir incluí-lo com mais frequência na minha dieta, não abdicando do prazer de comer. Porque não quero passar a fazer peixe cozido só porque é muito saudável, se depois é um castigo comê-lo.

Ando, portanto, numa cruzada piscícola. Compro novos peixes (sem esquecer a lista vermelha), experimento receitas e novas formas de cozinhar. E, devagarinho, vai havendo tanto peixe como carne (e pouco dos dois, que é assim que faz melhor).

Este arroz nasceu do improviso. Apetecia-me um arroz malandro, de tomate, à boa portuguesa. Comprei umas postas de perca, a que tirei pele e espinhas e transformei em cubos, e um bom molho de coentros (outro ex-ódio meu, que hoje adoro). O resultado agradou tanto que este arroz tem aparecido na nossa mesa todas as semanas. Já o fiz com congro (que dá um trabalhão, por causa das espinhas) e com perca. Em termos de sabor prefiro o congro, mas implica retirar-lhe as espinhas depois de estar cozido e antes de juntar o arroz – e as espinhas do congro são as mais chatas que já vi. Eu rendi-me à perca, mas qualquer peixe branco é bom para esta receita.

.

Arroz caldoso de peixe

Num tacho grande, aqueça um fio de azeite e refogue ligeiramente uma cebola grande e 3 dentes de alho, finamente picados. Acrescente uma cenoura em meias-luas finas e um pimento vermelho, em pedaços. Frite ligeiramente, em lume médio, até que os legumes amoleçam ligeiramente.

Acrescente uma lata de tomates pelados, desfeitos entre os dedos, todo o sumo e duas latas de água. Se quiser, junte um caldo de legumes (ou de peixe – eu prefiro de legumes). Adicione ao tacho os talos dos coentros, finamente picados, uma pitada de piri-piri e outra de sal. Coloque o peixe na panela, baixe para lume brando e deixe cozinhar 10 minutos.

Adicione uma medida de arroz de risotto (a variedade que mais gostar) e deixe cozinhar destapado, mexendo de vez em quando – tenha cuidado, se não mexer o arroz cola ao fundo da panela. Vá acrescentando mais água à medida que for necessário, para manter o caldo espesso mas abundante – e sempre que juntar água, lembre-se de acertar o sal.

Quando o arroz estiver cozido (mas ainda ligeiramente al dente, que é como se quer este arroz), sirva e polvilhe com coentros (agora as folhas) picados.

.

A quantidade de água vai depender do arroz, do peixe, dos legumes (da água que o arroz absorver e da água que peixe e legumes libertarem). Normalmente uso, no total (a contar com as duas latas adicionadas no início), 3-4 medidas. Ajuste à medida dos seus ingredientes; isto pode requerer alguma prática, mas apanha-se rapidamente.

Este arroz faz-me feliz. Tem sabores fortes e quentes e o peixe que me faz tão bem – e não é nenhum sacrifício comê-lo. Nestas noites ainda frias, com a vaga polar que nos visita, é conforto num prato fundo.

Read Full Post »

Older Posts »

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 264 outros seguidores