Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for the ‘Bolachas’ Category

aos (doces) amigos

A internet em geral trouxe-me muita gente, desde que entrou na minha vida. E dentro dela, o bookcrossing e o blog. O primeiro trouxe-me o meu marido, num encontro ao acaso de vidas que já se teriam, quase certamente, cruzado sem saber. Ambos me trouxeram amigos que sei que são para a vida. Gente com quem partilho gostos, alegrias, birras e embirrações. Com quem converso, com quem rio e de quem gosto profundamente. Gente que é já a minha gente, parte de mim.

E agora que me estreio nos 30, essa década que, sei, me trará coisas maravilhosas, quis deixar aqui escrito o quanto gosto dessas pessoas – as que me trouxe a internet e as que me trouxe a vida. O quanto são importantes para mim e ajudam a fazer-me quem sou. Obrigada pelo carinho, pelos ombros e pelos ouvidos. Obrigada por estarem aí.

E pronto, mais discursos lamechas só lá para os 60. Falemos, portanto, de coisas doces.

No fim-de-semana do Carnaval fomos passear a Lisboa. Descemos à capital para encontrar amigos bons e para comer. Basicamente, este era o plano. Passear um bocadinho também, nos interregnos. Foi um fim-de-semana maravilhoso, cheio de conversas e coisas boas. Sentimo-nos tão bem recebidos que não vamos demorar tanto tempo a voltar.

Um dos encontros foi cheio de amigas que não via há anos. Comemos dim-sum (que eu adoro e que por cá não encontro) e depois fomos muito bem recebidos numa casa linda, num bairro típico de Lisboa, onde nos deliciámos com chá e cheesecake. E que bom que era o doce. Tão bom que pedi logo a receita e não perdi tempo.

.

Cheesecake de Baileys

(adaptado pela T., a partir de Cookies, muffins & co.)

Este é um cheesecake dos que assam e convém ser feito de véspera. Deve também ser deixado no forno fechado e desligado, depois de assar. Por isso planeie bem, para não precisar de usar o forno a seguir.

Comece por pré-aquecer o forno a 150ºC. Prepare uma forma de mola, untando-a com manteiga. Reserve.

Massa:

  • 200g bolacha Maria (ou de aveia ou digestiva)
  • 100g manteiga derretida

Triture bem as bolachas, até obter uma areia fina. Acrescente a manteiga e misture bem, com ajuda de um garfo, até obter algo com a consistência e o aspecto de areia molhada.

Transfira para a forma e, com o fundo de um copo, pressione bem no fundo, fazendo uma camada uniforme, e nos lados, até à altura possível. Leve a forma ao frigorífico enquanto prepara o recheio.

 

Recheio:

  • 3 embalagens de queijo creme tipo Philadelphia original (não light)
  • 120g açúcar mascavado
  • 3 ovos
  • 1 dl de Baileys

 

Com a batedeira, bata bem o queijo e o açúcar, até obter uma mistura lisa e muito cremosa. Junte os ovos e bata mais uns minutos. Acrescente então o Baileys, misturando bem.

Deite o preparado sobre a base de bolacha e leve ao forno pré-aquecido, durante cerca de 30 minutos (o tempo poderá ter de ser ajustado consoante o forno e o tamanho da forma, mas deverá ser entre 20 e 40 minutos). A massa de bolacha deverá estar cozida, mas o centro ainda deve tremer ligeiramente, no final do tempo.

Desligue então o forno e deixe o cheesecake lá dentro, durante a noite. Desenforme com cuidado, na altura de servir. Pode ser acompanhado de uma colher de natas batidas, quase sem açúcar (o cheesecake é suficientemente doce e as natas vão dar um contraste interessante).

.

Este é um doce para um dia de pecado, que deve ser partilhad0 com amigos para que a cota de cada um seja menor. É cremoso, com um leve sabor a Baileys e um travo a caramelo. E é perfeito acompanhado de uma chávena de chá bem quente, de gente às gargalhadas e de uma boa conversa.

Read Full Post »

Há dias em que ser foodblogger é chato. Chato, pronto. Porque não é sempre que há paciência para cozinhar, parar tudo, montar cenário, fotografar e só depois, então, comer. Às vezes apetece ir logo para a mesa, sem pensar em ângulos, luz, background ou apresentação. Mas depois há o grilo falante, que nos “puxa” as orelhas: mas não achas que esta receita é boa para o blog? Que outras pessoas vão gostar? Deixa de ser preguiçosa, vá!

E eu deixo. Monto tudo, tiro dezenas de fotografias, todas à mesma coisa, faço esperar o marido e o estômago. Às vezes não vale a pena. Quase sempre, mais de 2/3 das fotografias são lixo. Mas é assim, é preciso tirar dezenas para conseguir aquela que vale a pena, que fica mesmo bem, que nos satisfaz.

Estas bolachas foram, até hoje, o meu maior dilema fotográfico. Fi-las num dia à noite, em que estava sozinha, para acompanhar uma sopa quente e reconfortante. A luz da noite é sempre uma desgraça para fotografar e, por isso, resolvi tratar das fotografias das bolachas no dia seguinte. Elas aguentavam-se bem e assim sempre tinha luz do dia.

Mas no dia seguinte só me apetecia, lá está, aquecer uma sopa, pegar nas bolachas e almoçar. Pensar em ter de as fotografar estava a fazer-me considerar não almoçar – guardo-as para amanhã, ainda estão boas e pode ser que a paciência fotográfica esteja de volta. É aborrecido, quando isto acontece. Quando só nos apetece pegar na bolacha, na sopa, na salada e comer, esquecer que existe blog, receita ou fotografia.

Mas o grilo, mais uma vez, falou mais alto. E eu levantei-me, montei as coisas, pus a sopa a aquecer e lá fui, máquina em punho, fotografar as bolachas. Das fotografias, aproveitei uma. Uma só. É quando basta, eu sei. Acho que as outras reflectiram o meu estado de espírito impaciente – e foram todas para o lixo.

bolachas de parmesão

Bolachas de parmesão, alecrim e azeitonas
(receita retirada daqui)

Ingredientes:

  • 1 medida de farinha
  • ½ colher chá de sal
  • 3 colheres sopa de queijo parmesão, finamente ralado
  • 1 colher sopa de alecrim fresco picado
  • 2 colheres sopa de azeitonas pretas, em fatias finas
  • 2 dentes de alho ralados
  • 3 colheres sopa de azeite
  • ¼ medida de natas
  • 1 colher sopa de leite (se necessário)
  • sal marinho para polvilhar

Pré-aqueça o forno a 200ºC.

Misture bem todos os ingredientes secos – farinha, sal, alecrim, parmesão, azeitonas e alho. Adicione o azeite e, com um garfo, misture tudo até que toda a massa tenha aspecto de migalhas.

Acrescente as natas e, com a mão, envolva. Se a massa estiver muito seca, acrescente um pouco de leite.

Estenda a massa numa folha de papel vegetal, que caiba na sua assadeira, até obter um rectângulo fino (pode usar um silpat em vez do papel vegetal). Pode precisar de enfarinhar o rolo à medida que vai trabalhando. Com uma faca ou cortador de massa, corte o rectângulo grande noutros mais pequenos, mas sem os separar – este passo é só para que, ao arrefecer, seja mais fácil partir a massa nas bolachas individuais. Salpique com sal marinho (ou outro à sua escolha) e leve ao forno até que estejam douradas.

Retire para cima de uma grade e deixe arrefecer.

.

Eu assei as minhas no silpat e não fiquei muito feliz com o resultado. A cozedura não é igual, as bolachas não douram de forma homogénea. Por isso, prefiro estender a massa sobre papel vegetal, colocar numa assadeira e assar assim. Por mais prático que seja o silpat – e é -, em termos de forno não é a mesma coisa.

As bolachas são muito saborosas e são um excelente acompanhamento de uma sopa, esmigalhadas sobre uma salada ou mesmo servidas com tapenade de azeitona ou outro paté. São certamente receita a repetir, sobretudo dado o alívio de saber que da próxima as posso comer logo, sem ter de arranjar paciência para as fotografar. Foodblogger, às vezes, sofre!

Read Full Post »

Este ano apetecia-me experimentar coisas novas no Natal e oferecer coisas saídas da minha cozinha e não das lojas. Muitos blogs fizeram o mesmo, coisas lindas, certamente deliciosas, que me deram ainda mais vontade de experimentar. Não tenho dado muita atenção aqui à cozinha, daí o tardar deste post, mas não quis deixar de vos mostrar alguns dos presentes de Natal que saíram de cá de casa e que foram só o pontapé de saída para ideias-presente comestíveis!

A primeira ideia – de onde me veio a decisão, a receita da primeira massa e do glacê – veio do Panela de Cobre, um blog que visito diariamente e que vocês conhecerão, certamente. Daí saíram os primeiros e saíram assim, na versão glacê e na versão dupla com geléia de morango:

biscoitos-de-natal-i.jpg

biscoitos-de-natal-ii.jpg

Os segundos já não sei de onde saíram. Foram de um site assim muito tipo Martha Stewart (mas que não era o dela) que não sei qual é. Já não tenho a receita, também, mas como não gostei assim tanto dela não me entristece muito. É do mesmo estilo da pâte sucrée dos primeiros biscoitos, aprendida no mesmo Panela de Cobre. Qualquer receita de biscoitos suficientemente maleável para ser estendida e recortada servirá. As cores foram dadas com corante alimentar (que era suposto ser vermelho mas ficou cor-de-rosa…) e cacau. Mais do que bons, ficaram muito bonitos!

biscoitos-de-natal-versao-2.jpg

E aqui estão eles, nas suas caixinhas feitas também à mão, em origami, com papel vegetal e ráfia, prontos a ser entregues!

biscoitos-de-natal-iv.jpg

Read Full Post »

Experimentei umas bolachinhas que encontrei neste site, e só tenho a dizer que ficam muito boas. Não ajudam a nenhuma dieta, mas são uma boa sugestão para o lanche.

 

Bolachas de Aveia, Coco e Mel

 

Ingredientes:

  • 125gr de farinha
  • 15ogr de açúcar mascavado escuro
  • 200gr coco ralado
  • 200gr aveia em grãos
  • 75gr de manteiga
  • 2 c. sopa de mel
  • 1/2 c. chá de bicarbonato de sódio
  • 2 c. sopa de água quente

 

Preparação:

Aquece-se o forno a 180º.

Numa taça juntam-se farinha, o açúcar mascavado, o coco e a aveia. Mexe-se até os ingredientes estarem bem misturados.

Leva-se ao microondas a margarina a derreter com o mel. À parte mistura-se a água com o bicarbonato de sódio e junta-se à mistura de margarina e mel. Adiciona-se este preparado aos restantes ingredientes até se obter uma pasta granulosa, não muito húmida.

 

Massa

(se a massa estiver muito seca pode-se adicionar um pouco mais de água, para que ligue melhor. Mas como os ingredientes se vão misturar ao lume, não é necessário muita água)

Forra-se um tabuleiro com papel de estanho, moldam-se bolinhas de massa que se espalmam no tabuleiro. Levam-se ao forno cerca de 20 minutos ou até estarem cozidas.

Para assegurar que fiquem fininhas, convém abrir o forno e, com a ajuda de uma colher, espalmar novamente as bolachas. Duas vezes durante a cozedura deve assegurar que fiquem finas.

Read Full Post »