Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for the ‘Lentilhas’ Category

Na horta e no mercado já não é bem inverno e ainda não é completamente primavera. Nas cestas aparecem as últimas raízes, em jeito de despedida, acompanhadas pelas primeiras cebolinhas, ainda verdes, a cheirar a fresco, com promessas de dias quentes. A cabeça planeia a transição, esta mudança de estação que tira da mesa o seu guarda-roupa de inverno, para, gradualmente, o substituir pelo dos dias quentes.

Há muito que esquecemos este acompanhar que o corpo e a mesa, com a terra, fazem das estações. No supermercado há de tudo todo o ano e não é fácil este regresso voluntário a tempos mais simples mas necessariamente mais criativos e saudáveis. Mas quem provou um tomate maduro de sol facilmente desiste das pálidas amostras de estufa ou d’além mar que se vendem agora. É só pedir ajuda à memória, saber a que sabem as coisas quando nascem e crescem e amaduram no seu tempo.

salada de legumes assados I

.

Salada morna de raízes assadas, lentilhas e cebolinha

(4 pessoas)

  • 2 cenouras
  • 2 beterrabas
  • 2 batatas doces
  • 2 cebolinhas (parte verde e bolbo) médias
  • 1 medida de lentilhas castanhas
  • sal
  • azeite
  • sumo de limão

Pré-aqueça o forno a 180ºC. Descasque as cenouras, beterrabas e batatas e corte-as em palitos. Coloque-as num tabuleiro de forno, regue com um fio de azeite e polvilhe com uma pitada de sal grosso. Leve a assar até que os legumes estejam tenros mas não completamente assados, aproximadamente 20 minutos.

Enquanto os legumes assam, coza as lentilhas em 3 medidas de água temperada com sal. Quando estiverem prontas, escorra e reserve.

Corte as cebolinhas em meias luas muito finas. Misture 3 colheres de sopa de azeite e 1 colher de sopa de sumo de limão, emulsionando bem.

Misture os legumes assados, as lentilhas e as cebolinhas e tempere. Prove, acerte o sal e sirva.

salada de legumes assados II

.

Esta é uma salada perfeita como refeição, servida só ou acompanhada de folhas verdes. Pode ainda ser acompanhada de fatias de pão torrado numa frigideira e regado com um fio de azeite ou, alternativamente, pode acompanhar frango assado ou grelhado.

Read Full Post »

A carne não vem à nossa mesa todos os dias. Há semanas em que não ponho o pé no talho, em que digo olá, tudo bem? até logo! ao Jorge quando saio do mercado e lhe passo à porta. Pergunto-lhe pela saúde e pela neta, dou-lhe dois beijos e vou-me embora sem comprar nada. O Jorge conhece-me desde que nasci. Desde que andava pelo mercado, ainda ao ar livre, a correr da banca da D. Irene (que saudades!) para o talho dele. Nunca fui menina de estar muito quieta. Falava com toda a gente, enchia-os de conversas e de perguntas. A minha fase dos porquês dura até hoje e na altura não tinha filtros nem limites. Eu devia ser muito chata.

Hoje, a ida ao mercado continua a ser um dos grandes prazeres da semana. Há velhos e novos amigos e novos amigos velhos, que me guardam ovos caseiros e manjericão fresco e me enfiam no saco pimentos perfumados quando eu já paguei. Conversamos sobre a vida, as frutas que nos chegam de perto, os filhos, os netos e as dores da idade. Pergunto, cheiro, escolho e compro legumes cultivados num raio de 10km. Volto para casa de braços e coração cheios. Sei a sorte que tenho.

Às vezes – poucas – também vou ao talho. Mas de lá nunca saio muito carregada. A carne é excepção no nosso prato e não é preciso muito para nos saciar a fome e a vontade. Duas tiras de bacon numa sopa fazem uma refeição mais do que completa.

.

Esta sopa foi feita com base numa receita da Elvira, que estava na minha lista há já muitos meses. Adaptei-a ao que tinha e ao que me apetecia e tive uma agradável surpresa. Não costumo gostar de sopas de carne – sou incapaz de comer canja e sopa de pedra só um bocadinho. Mas esta, nestas noites frias, soube-me mesmo bem. Uma sopa feita a tantas mãos de tantos amigos – o bacon do talho do Jorge, as batatas e cenouras e alho francês do Sr. Pereira e da Vânia. E as minhas mãos, que com tão boa matéria prima, quase não tiveram que fazer.


.

Sopa camponesa de lentilhas

(com base na receita da Elvira)

  • 250 g de lentilhas secas (usei das castanhas)
  • 50 ml de azeite
  • 1 cebola
  • 2 dentes de alho picados finamente
  • 50 g de bom bacon, finamente picado
  • 2 alhos franceses pequenos, cortados em meias luas finas
  • 1,2 l de caldo de legumes
  • 1 batata média cortada em cubos pequenos
  • 2 cenouras cortadas em cubos pequenos
  • sal
Lave bem as lentilhas em água fria corrente. Escorra bem e reserve.
Numa panela, aqueça o azeite e nele refogue ligeiramente a cebola e o bacon. Quando a cebola estiver translúcida, acrescente o alho e deixe refogar mais 1 minuto, mexendo com frequência. Acrescente as lentilhas e o alho francês e misture tudo bem. Deixe refogar mais 1 ou 2 minutos, mexendo sempre. Adicione o caldo, uma pitada de sal e deixe ferver.
Reduza então o fogo para médio-baixo e retire a espuma que se formou à superfície. Cubra a panela parcialmente com a tampa (deixe uma pequena abertura para o vapor poder escapar) e deixe cozinhar por 20 minutos. Se necessário, vá removendo a espuma.
Acrescente a cenoura e a batata e deixe cozinhar por mais 10 minutos ou até que tanto as lentilhas como os legumes estejam tenros. Não deixe cozinhar demasiado, para que as lentilhas não se comecem a desfazer.
Acerte o sal e a espessura do caldo – se estiver muito espesso, pode acrescentar um pouco de água ou mais caldo.
Se tiver, sirva polvilhada de cebolinha verde ou de cebolinho, picados. Eu não tinha, mas fica a nota para a próxima vez que a fizer.
.

.
Esta sopa é uma refeição. Sozinha, aquece e conforta o estômago. E se forem só dois, como aqui em casa, ainda sobra para uma outra refeição, onde saberá ainda melhor.

Read Full Post »

Os dias longos pedem-me refeições fáceis. E as saladas robustas não se deixam intimidar pelos dias mais frios e continuam a aparecer, enquanto houver vontade.

Esta salada nasceu ainda num dos meus muitos almoços solitários. Lembro-me de ter visto algo parecido num programa de televisão, mas não me lembro qual nem em que canal terá dado. Sei que a única ideia com que fiquei da receita original foi a mistura da pasta com as lentilhas. Tudo o resto surgiu do que havia na cozinha e do que me apetecia comer. Eu acho que o nosso apetite consegue ser um excelente guia criativo.

Por isso, esta salada é meramente indicativa. Adaptem-na ao que tiverem em casa, ao que vos apetecer comer.

salada de pasta e lentilhas

Eu cozi pasta até estar al dente, passei-a rapidamente por água fria para parar a cozedura e reservei. Ao mesmo tempo, cozi lentilhas, das verdes (que precisam de cozer durante mais tempo do que as vermelhas), passei também por água fria e reservei.

Numa frigideira com um fio de azeite, salteei uma cenoura grande em palitos não muito finos (para que se mantivesse crocante). Quando estava ligeiramente cozinhada, acrescentei folhas de espinafre e dois dentes de alho finamente picados. Deixei apenas o tempo suficiente para o alho dourar ligeiramente e para o espinafre murchar.

Numa taça grande, misturei a pasta e as lentilhas escorridas e os legumes salteados. Acrescentei meia cebola cortada em meias luas muito fininhas e tomates-cereja cortados a meio. Na frigideira dos legumes, torrei ligeiramente um punhado de amêndoas com pele, partidas a meio, e juntei também à salada.

Temperei com uma vinaigrette simples, de 4 partes de azeite para 1 parte de vinagre, sal e orégãos secos. Envolvi tudo muito bem e servi.

.

Como disse, a salada foi feita só para mim, ao almoço. Mas gostei tanto que repeti num outro dia ao jantar, em dose dupla para mim e para o Zé. E até ele, que não é o maior fã de saladas como prato principal, gostou. Apesar da pasta e das lentilhas, é uma refeição leve (se comida em quantidades moderadas) e completa, excelente para um jantar rápido, daqueles que vão aparecer muitas vezes cá em casa nas próximas semanas.

Read Full Post »

Comfort soup

Não é comfort food daquelas antigas, a que se regressa pelo conforto das memórias. Mas quando me apetece sopa é sempre esta que quero. É a melhor sopa que já provei e a melhor que sei fazer. E é rápida, saudável e faz uma refeição. Já vos convenci a experimentar?

sopa-de-lentilhas1

Esta é a minha comfort soup por excelência. Desta vez acrescentei-lhe um alho francês em meias-luas finas, para ter mais legumes. Tão boa! E ao que é bom volta-se sempre.

Read Full Post »

Hoje o tempo está outra vez encoberto. Temos começado os dias assim e depois é sempre surpresa: uns abrem e o sol aparece, outros continuam cinzentos e frescos. Nunca se sabe se apetece salada ou sopa.

Eu gosto de sopa sempre. Mesmo no Verão. E queria uma sopa que fosse toda ela uma refeição, para um jantar rápido e leve. E há muito que queria introduzir mais as lentilhas na dieta cá de casa.

.

Quando eram novos, vinte e poucos anos, os meus pais trabalharam uns meses na Alemanha. E lá, contam eles, foram mais ou menos obrigados a comer, vez e vez e mais vez, lentilhas e salsichas. Conclusão: salsichas alemãs e lentilhas nunca entraram em nossa casa. De cada vez que se fala em lentilhas ouve-se um “bleargh” partilhado. Por este motivo, a primeira vez que comi lentilhas já devia ter, eu, os vinte e poucos anos que eles tinham. Lembro-me que as provei num restaurante Hare Krishna que há no Porto e que serve almoços. Gostava muito de lá ir. E gostava muito da sopa de lentilhas.

Esta sopa não tem e nunca teve como objectivo ser como a sopa de lá. Mas tinha de ser uma sopa interessante, que deixasse o Zé tão entusiasmado com as lentilhas como eu. Pronto, tanto como eu não. Mas o suficiente para não haver “bleargh” nem nariz torcido.

.

Nesse dia – em que eu sabia que queria sopa para o jantar, mas nem tinha ainda pensado muito nisso – andava a passear pelo TasteSpotting, um paraíso voyeurista para foodies, quando dei de caras com esta sopa. Tirando a bolota de iogurte ou natas, era perfeita (sim, nós não gostamos muito dessa coisa dos lacticínios na sopa). E resolvi experimentá-la.

.

Sopa de Lentilhas

Ingredientes

  • 4 dentes de alho picadinhos
  • 1 cenoura grande, cortada em pedaços (não muito grandes, não muito grossos)
  • 1 tomate grande, maduro
  • 3 colheres sopa polpa de tomate (a receita pede pasta de tomate, eu não tinha)
  • 1l caldo de legumes
  • 200g lentilhas vermelhas
  • 1 colher chá cominhos (usei em sementes, que triturei no momento)
  • 1 colher chá paprika
  • 1 colher chá paprika doce (usei o nosso pimentão doce)
  • azeite
  • sal

Numa panela, alourei o alho no azeite. Juntei a cenoura e cozinhei durante uns minutos. Acrescentei as especiarias e cozinhei mais um minuto. Adicionei o tomate e a polpa, mexendo bem, e cozinhei ainda mais um minuto. As lentilhas e o caldo entraram a seguir, acertei o sal, baixei o lume e deixei cozinhar 30 a 40 minutos, até que todos os ingredientes estivessem bem cozidos e o caldo grosso.

Servi acompanhada de fatias de pão com manteiga de alho e mozzarella, polvilhadas de orégãos e alho assado desidratado, torradas no forno até estarem moreninhas.

A sopa é deliciosa, extremamente aromática e cheia de sabor. Não só não ouvi nenhum bleargh, como ouvi muitos hmmms! A sopa agradou, as torradas também e o jantar foi um sucesso! Esta é, sem dúvida, uma adição ao meu reportório de sopas, a repetir muitas e muitas vezes!

Read Full Post »